issue

Prevalência

Apesar da redução da prevalência geral em alguns países, existem tendências alarmantes no uso de tabaco entre os jovens e nos países de renda mais baixa, em regiões como a África Subsaariana. Os países devem implementar políticas mais rigorosas de controle de tabaco para evitar o surto dos danos relacionados com o tabaco.

Globalmente, 942 milhões de homens e 175 milhões de mulheres com 15 anos ou mais são fumantes. Aproximadamente três quartos dos homens que fumam diariamente vivem em países com Índice de Desenvolvimento Humano médio ou alto (IDH), enquanto que a metade das mulheres que fumam diariamente vivem em países com IDH muito alto.

A prevalência de tabagismo masculino na maioria dos países com IDH médio a muito alto aumentou substancialmente no século passado, embora tenha ocorrido primeiro em países com HDI muito alto (na primeira metade do século 20 versus na segunda metade). Quase todos os países de IDH muito alto registaram uma diminuição significativa de tabagismo masculino após a década de 1950. Muitos países com IDH médio ou alto também observaram uma diminuição na prevalência, mas, na maioria das vezes, mais moderada e a partir do início deste século. A prevalência do tabagismo é historicamente modesta na maioria dos países com baixo IDH, embora ainda assim se traduz em dezenas de milhões de fumantes.

A prevalência de tabagismo entre as mulheres em países com IDH muito alto atingiu o pico algumas décadas depois do pico do tabagismo entre os homens, mas permanece relativamente baixa ou teve um aumento moderado em outros países até o momento.


O Tabagismo na África

Vários países da África Subsaariana registraram aumento recente na prevalência de tabagismo

Tendências atuais do tabagismo entre homens com 15 anos de idade ou mais em países africanos selecionados

No entanto, a tendência de queda na prevalência de tabagismo registrada anteriormente na maioria dos países com IDH muito alto estagnou nos últimos anos, e a prevalência de tabagismo continuou a aumentar, ou continuar em níveis elevados, em muitos países com IDH médio ou alto. Além disso, alguns países com IDH baixo (por exemplo, na África Subsaariana) observaram um recente aumento da prevalência. É provável que esta tendência seja observada no futuro em muitos outros países com IDH baixo devido ao crescimento da renda e à maior acessibilidade aos cigarros, bem como devido à agressiva estratégia de marketing da indústria do tabaco nesses países, a menos que os governos implementem políticas de controle do tabaco mais fortes, como aumento dos impostos, a fim de aumentar os preços dos produtos de tabaco.

Outra preocupação importante é o aumento recente da prevalência de tabagismo entre os jovens, especialmente as mulheres, em vários países com IDH de baixo a alto. Em alguns países, o tabagismo entre meninas adolescentes é mais comum do que em mulheres adultas ou mesmo entre meninos adolescentes.

Quase dois terços dos países, incluindo 98% dos países com baixo IDH e 93% dos países da África Subsaariana, não implementaram o controle do tabagismo ao nível das práticas recomendadas [Inset 3]. A vigilância efetiva, a nível nacional, deve ser uma prioridade para os governos, pois é essencial para calcular a carga de doenças relacionada ao tabagismo e avaliar o sucesso das políticas de controle do tabaco.

Embora o consumo de tabaco continue a ser um problema importante de saúde em todo o mundo, a diminuição da prevalência em países com esforços ativos de controle do tabaco mostra que podemos reduzir o consumo com estratégias efetivas.


Tabagismo Masculino e Feminino

Porcentagem de homens e mulheres adultos que fumam diariamente: com idade ≥10, 2015 ou últimos dados disponíveis

Nível recomendado de Monitoramento de Tabaco

Muitos países, especialmente com IDH mais baixos carecem de um sistema de monitoramento do uso de tabaco adequado

Mudanças no Consumo

Em razão de uma combinação de crescimento populacional e aumento dos índices de tabagismo, o consumo de cigarros em várias regiões da OMS aumentou consideravelemente nas últimas década

Consumo anual de cigarros e porcentagem de mudança de 1980 a 2016, por região da OMS

Referências