Até agora, sabemos que o tabaco mata mais da metade dos que o usam regularmente e que acarreta um custo econômico de dois trilhões de dólares (PPC) para a sociedade a cada ano. Felizmente, a comunidade global tem feito progresso em direção a melhorar o controle do tabaco. Os esforços do governo, da sociedade civil e da comunidade internacional, incluindo por meio da Convenção Quadro da OMS sobre o Controle do Tabaco (FCTC), estão tendo o efeito de salvar vidas em muitos países. Recentemente, o consumo geral do tabaco em todo o mundo chegou até mesmo a diminuir levemente. No entanto, continuamos a lidar com a realidade de que muitos países com população jovem estão experimentando uma prevalência crescente, pois táticas utilizadas pela indústria do tabaco continuam a comprometer os esforços de saúde pública.

Esta sexta edição do Atlas do Tabaco e o site que a acompanhas — tobaccoatlas.org — oferece a leitores e usuários um guia abrangente das principais questões associadas ao controle do tabaco. Ele intercala duas narrativas relacionadas: a bleak realidade do dano causado pelo tabaco mesmo antes de brotar do solo, e uma análise/examination otimista das ferramentas baseadas em evidências que estamos usando para abordar esta realidade, e que poderiam ser aprimoradas ainda mais com uma implementação mais efetiva.

Começamos a narrativa com o cultivo da folha do tabaco, a base to todos os produtos de tabaco. Começa aqui uma longa/enduring de má saúde e exploração, neste caso, de milhões de pequenos agricultores de tabaco na sua maioria, pobres. A indústria do tabaco transforma a folha em vários produtos letais de tabaco — dos quais o mais comum é o cigarro — e os comercializa de forma agressiva, especialmente entre os jovens e outros grupos potencialmente vulneráveis. Nos últimos anos, observando a mais baixa prevaIência entre mulheres e meninas, e em muitos países/regiões com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) (Pop-out para a explicação sobre IDH), a indústria tem adaptado os seus esforços de marketing nessa direção. Continua também a visar muitas populações vulneráveis em todos os países. Accordingly, exploramos o a prevalência mundial de tabagismo e tabagismo passivo seguida de seu resultado: efeitos negativos sobre a saúde, comorbidades, mortes decorrentes do tabaco e os custos mais amplas para a sociedade.


RODA DA REGULAMENTAÇÃO DO TABACO

A segunda metade do Atlas é mais otimista, voltado para as ferramentas e estratégias comprovadas que usamos para abordar a epidemia do tabaco em quase todas as etapas do ciclo do produto de tabaco. Estas intervenções incluem esforços de cessação, proibição de marketing, políticas antitabagistas, impostos sobre o tabaco e campanhas mediúnicas de massa, entre outras. O mercado dos produtos de tabaco também está mudança de forma inprevisível. Alguns estão otimistas que os novos produtos sem combustão que são potencialmente menos prejudiciais diminuirão o tamanho do mercado para cigarros e outros produtos combustíveis de tabaco. Outros, com toda razão, demonstram maior cautela sobre a incerteza e qualquer abordagem que envolva as companhias de tabaco, dada a sua longa história de enganação e ilegalidade.

O livro pode ser lido como um todo — uma narrativa abragente sobre o todo o “ciclo do tabaco” — ou cada capítulo pode ser lido separadamente como um componente essencial desta narrativa. É importante ressaltar que desenvolvemos um novo site mais dinâmico que acompanha para 1) fazer cobertura abrangente de dados atualizados; 2) abordar outros temas importantes que por falta de espaço não pudemos cobrir aqui (p.ex. tabaco sem combustão e cachimbos d’água); e 3) oferecer um espaço em que iremos apresentar regularmente novo conteúdo relevante e oportuno. Esperamos que o Atlas do Tabaco leve à ação para melhorar o controle de tabaco no seu paísm e proporcionará orientação útil sobre as muitas ferramentas para alcançar esses objetivos.